A Terapia ocupacional é o tratamento das condições de saúde que afetam o desempenho das pessoas, em qualquer fase da vida, através do envolvimento em atividades significativas. O objetivo da terapia ocupacional é proporcionar às pessoas o seu nível máximo de funcionalidade e de independência nas ocupações em que desejam participar.
Para quem?
A Terapia ocupacional destina-se a pessoas com disfunções como dispraxia, ou dificuldade em fazer o planeamento motor, associado à fraca discriminação tátil, o que se pode designar por dispraxia somatosensorial de base, à fraca integração bilateral associada à disfunção vestibular-propriocetiva e a um fraco mecanismo ocular-postural, o que se pode designar por disfunção de integração vestibular bilateral, à defesa tátil ou reação de aversão ao ser tocado, por vezes associada a agitação motora e distratibilidade, à fraca perceção da forma e do espaço (visual e tátil), à disfunção auditiva e da linguagem, entre outras.
O terapeuta ocupacional pode, ainda, intervir junto de crianças e/ou adolescentes com problemas diversos a nível do desenvolvimento psicomotor, deficiências ou síndromes específicos e que impossibilitem um bom desempenho ocupacional.
Como decorre?
AVALIAÇÃO:
O terapeuta ocupacional avalia as funções sensoriais, percetivas, físicas e sociais do indivíduo, bem como os fatores ambientais que influenciam o seu desempenho nas atividades. Identifica as áreas de disfunção, para envolver o indivíduo num programa estruturado de atividades significativas, de forma a ultrapassar as dificuldades proporcionadas pela sua condição de saúde.
Assim, numa primeira consulta, e no caso de a intervenção ser com a criança, o terapeuta recolhe junto dos pais o historial e outras informações sobre a criança, que lhe permitirá completar o que será analisado em sessões de avaliação posteriores com a criança (o número de sessões de avaliação depende de cada caso). Será então feito um diagnóstico do perfil e desenvolvimento psicomotor da criança.
No caso de jovens, adultos ou seniores, a avaliação tem inicio logo na primeira consulta e o número de sessões de avaliação dependerá, também aqui, de cada caso.
INTERVENÇÃO:
As atividades selecionadas estão de acordo com as necessidades pessoais, sociais e culturais de cada individuo e refletem os fatores ambientais que orientam a vida do mesmo.
Assim, após o terapeuta avaliar as capacidades, limitações e os riscos que possam existir a nível físico, cognitivo, afetivo e/ou social, procurar-se-á intervir em três níveis distintos, sendo o primeiro nível a pessoa.
Aqui, o terapeuta intervém para desenvolver competências, restaurar funções perdidas e/ou prevenir disfunções, através do uso de técnicas e procedimentos específicos, ou para compensar funções que não podem ser recuperadas, através da utilização de ajudas técnicas e/ou tecnologias de apoio.
O segundo nível, que centra a sua intervenção na ocupação, visa analisar as exigências ao nível físico, cognitivo, afetivo e/ou social, de modo que as ocupações possam ser desempenhadas com sucesso.
Aqui, o terapeuta intervém graduando a ocupação, através de procedimentos e equipamentos específicos, de forma a adaptá-la às necessidades da pessoa. Por último, ao nível do ambiente, o terapeuta procura perceber se este facilita ou inibe o envolvimento da pessoa nas ocupações, identificando o suporte/apoio e as exigências que os espaços e/ou equipamentos, as pessoas e a cultura que fazem parte do ambiente da pessoa lhe colocam no desempenho das suas ocupações. O terapeuta intervém, modificando o ambiente físico e social, de forma a remover barreiras e fomentar os aspetos facilitadores da participação em ocupações.
Quando a pessoa com disfunção é uma criança ou jovem, a intervenção de um terapeuta ocupacional pode abranger problemas diversos nos componentes sensoriais, motores, cognitivos, psicológicos e psicossociais, nas diferentes áreas de desempenho (Atividades da vida quotidiana, do trabalho e do lazer).
Ao longo do processo de intervenção são realizadas reavaliações, no sentido de recolher informação acerca do ritmo de desenvolvimento, acerca das áreas que ainda precisam de ser alvo de intervenção ou acerca da necessidade de continuar com a intervenção.
As sessões têm duração de 50 minutos e a periodicidade das mesmas dependerá das necessidades de cada individuo.
Onde?
As sessões de intervenção de Terapia ocupacional decorrem nas instalações da Clinic4you ou poderão ocorrer em regime de domicílios, em casa ou na escola, desde que o programa terapêutico seja possível de aplicar nesses contextos.