A Osteopatia é uma terapia recente que surgiu nos EUA através do Dr. Andrew Taylor Still (1828-1917) que enunciou os princípios essenciais desta terapêutica. O termo Osteopatia tem origem do grego ostion (osso) e pathos (efeitos que vêm do interior) e é o estudo dos efeitos internos que advêm da estrutura.
Baseia-se em três princípios essenciais:
A unidade do corpo humano
A capacidade de auto-regulação
Relações entre a estrutura e a função
Quando esta estrutura não se encontra em perfeitas condições, conduz a um transtorno funcional e surgem disfunções e dor, podendo surgir também alterações bioquímicas que afectam, além dos músculos, todos os órgãos e respectivas funções, dando assim lugar a um quadro “patológico”
A osteopatia actua, através de técnicas manuais, no restabelecimento da função e mobilidade do sistema músculo-esquelético, visceral e sacro-craniano, mantendo a elasticidade do tecido conjuntivo em todos os seus sistemas. É, então, um sistema de cura que dá ênfase principalmente à integridade estrutural do corpo e é esta integridade o factor mais importante a manter.
Entre outras situações, a osteopatia está indicada para:
Problemas dos ossos, articulações e músculos, problemas de coluna, torcicolos, obstipação, problemas digestivos, lombalgias, ciática, etc…